terça-feira, setembro 15, 2009

Síndrome de Asperger

Donald (Josh Hartnett) sofre da síndrome de Asperger, uma forma de autismo, e lidera um grupo de ajuda com pessoas com perturbações semelhantes, porque não quer sentir-se sozinho. Um dia, Isabelle (Radha Mitchell) junta-se ao grupo. Ao contrário de Donald, Isabelle aceita a sua doença e as suas (des)vantagens. Mas as vulnerabilidades de Isabelle, rapidamente conduzem Donald a um romance tumultuoso, quando desafiam o seu profundo desejo de ser “normal”.
Inspirado no caso real de Jerry Newport e Mary Meinel, “Mozart and the Whale” (realizado por Petter Næss, 2005) consegue aproximar-nos de uma realidade especial sem qualquer tipo de condescendência.

Síndrome é o agregado de sinais e sintomas associados a uma mesma patologia e que, no seu conjunto, definem o diagnóstico e o quadro clínico de uma condição médica. Em geral são um conjunto de determinados sintomas, de causa desconhecida ou em estudos, que são classificados, geralmente, com o nome do cientista que o descreveu ou o nome que o cientista lhes atribuir. Um síndrome não caracteriza necessariamente uma só doença, mas um grupo de doenças.
A variedade é imensa e os factores podem ser ambientais ou genéticos, e destes, a grande maioria, deve-se a alterações cromossómicas.
A Síndrome de Asperger diferencia-se do autismo clássico por não comportar nenhum atraso global no desenvolvimento cognitivo ou da linguagem do indivíduo. Nada mais é do que autistas que falam. Porém, pode estar associada a TDAH, síndrome de Tourette e, mais raramente, a epilepsia e síndrome de X Frágil . A validade do diagnóstico continua incerta, estando actualmente em discussão a sua manutenção ou retirada do "Diagnostic and Stastitical Manual of Mental Disorders".
É mais comum no sexo masculino. Quando adultos, muitos podem viver de forma comum, como qualquer outra pessoa que não possui a síndrome. Há indivíduos com Asperger que se tornaram professores universitários (como Vernon Smith, "Prémio Nobel de Economia" de 2002).

O termo "síndrome de Asperger" foi utilizado pela primeira vez por Lorna Wing em 1981 num jornal médico, que pretendia, desta forma, homenagear Hans Asperger, um psiquiatra e pediatra austríaco, cujo trabalho não foi reconhecido internacionalmente até a década de 1990. A síndrome foi reconhecida pela primeira vez no "Diagnostic and Stastitical Manual of Mental Disorders", em 1994.
Alguns sintomas desta síndrome são: dificuldade de interação social, falta de empatia, interpretação muito literal da linguagem, dificuldade com mudanças, perseveração em comportamentos estereotipados. No entanto, isso pode ser conciliado com desenvolvimento cognitivo normal ou alto.
Quatro em cada mil crianças portuguesas têm síndrome de Asperger, uma perturbação do desenvolvimento que causa problemas de adaptação social e escolar e que necessita de acompanhamento ao longo da vida. A maioria dos professores desconhece a síndrome de Asperger e tende a considerar que quem sofre desta perturbação do comportamento é uma criança-problema.
Alguns estudiosos afirmam que grandes personalidades da História possuíam fortes traços da síndrome de Asperger, como os físicos Isaac Newton e Albert Einstein, o compositor Mozart, os filósofos Sócrates e Wittgenstein, o naturalista Charles Darwin, o pintor renascentista Michelangelo, os cineastas Stanley Kubrik e Andy Warhol e o enxadrista Bobby Ficher, além de autores de diversas obras literárias, como no caso de Mark Haddon.

3 comentários:

  1. boa noite !trabalho com uma criança autista e gostaria muito de saber mais sobre esse mundo!podem me ajudar!

    ResponderEliminar
  2. obrigada por ser mais um apoio nos momentos de angústia, ao lidar com meu filho com síndrome de asperger.

    ResponderEliminar
  3. Meu filho foi diagnosticado pelo neuro, aqui de MG, com sindrome de Asperger e TDAH, por isso estou pesquisando sobre o assunto para ajudá-lo da melhor forma.

    ResponderEliminar