sexta-feira, outubro 30, 2009

“Happy Hallowen”- Dia das Bruxas

301020092046301020092044 hallowen hallowen.renato  hallowen.nuno hallowen.sara hallowen.

Este dia foi muito divertido, estivemos a decorar as nossas cabaças e chápeus de bruxinhas…fomos até á nossa biblioteca ouvir a história da “A Bruxa Mimi no Inverno”, e andámos pelas salas a brincar ás “Gostosuras ou Travessuras”,além de fazermos os  nossos placard como sempre…

301020092062

HISTORIA DA BRUXA MIMI
O Dia das Bruxas (Halloween é o nome original na língua inglesa) é um evento tradicional e cultural, que ocorre nos países anglo-saxônicos, com especial relevância nos Estados Unidos, Canadá, Irlanda e Reino Unido, tendo como base e origem as celebrações dos antigos povos(não existe referências de onde surgiram essas celebrações).

A origem do Halloween remonta às tradições dos povos que habitaram a Gália e as ilhas da Grã-Bretanha entre os anos 600 a.C. e 800 d.C., embora com marcadas diferenças em relação às atuais abóboras ou da famosa frase "Gostosuras ou travessuras", exportada pelos Estados Unidos, que popularizaram a comemoração. Originalmente, o halloween não tinha relação com bruxas. Era um festival do calendário celta da Irlanda, o festival de Samhain, celebrado entre 30 de outubro e 2 de novembro e marcava o fim do verão (samhain significa literalmente "fim do verão" ).

quinta-feira, outubro 29, 2009

Vacina para a Gripe A usada em Portugal foi banida nos EUA

vacina

A vacina “Pandemrix” que está a ser administrada em Portugal foi recusada nos EUA.

Esta noticia apareceu hoje em todos os noticiários nacionais mas assim meio disfarçada, na segunda parte ou a meio de duas noticias que não interessam a ninguém.

Segundo as autoridades norte-americanas, esta contem escaleno e triomersal, duas substancias que alegadamente provocam alterações no sistema imunitário.

Por cá, o Infarmed garante ter sido “estabelecida a relação benefício-risco” e que “o benefício foi considerado superior ao risco” pela Agência Europeia do Medicamento, que a aprovou para uso em todos os Estados-membros.  Ou seja 51% de beneficios vencem 49% de probabilidade de patologias graves.

O esqualeno é um composto químico que o nosso corpo produz e é vendido em lojas de produtos naturais como óleo de tubarão. É assim como a OMS mostra o “inofensivo” esqualeno. O que ela não esclarece é que ingerir o esqualeno é incomparável a injetá-lo. É quase como injectar um pouco de ácido estomacal. É um ácido super forte, o qual nós não podemos viver sem, mas se isto se soubesse, de certeza que as pessoas não iriam querer que alguém injectasse este ácido no próprio braço. Já na Guerra do Golfo, vários veteranos foram vacinados contra o vírus Anthrax, que continha esqualeno.

Isto causou a Síndrome da Guerra do Golfo, que devastou as vidas de muitas vítimas, causando linfadenopatia, artrite rematóide, danos ao sistema nervoso, fadiga crónica, fibromialgia, lúpus, lesões na pele que não cicatrizam, perda de memória, convulsões, Síndrome de Sjögren, Doença de Raynaud, dores de cabeca crónicas, esclerose múltipla, entre outros problemas.

E o triomersal ou por outras palavras, Metil-Mercúrio. Sim, o mesmo mercúrio que se descobriu ser bastante tóxico, inclusivé deixou de se vender termómetros de mercúrio e deixou de se usar as amálgamas para “chumbar” os dentes, devido a este composto ser altamente tóxico para o organismo.

Esta vacina contém pelo menos 5 vezes mais do recomendado e pode provocar, entre outros, distúrbios emocionais e/ou neurológicos graves, autismo e a famosa Síndrome de Guillain-Barré – uma doença auto-imune em que o nosso organismo produz anticorpos contra a nossa própria mielina.

quarta-feira, outubro 28, 2009

Mary and Max

mary_and_max

Sinopse:

É o conto (ou, de acordo com o próprio filme, "baseado em uma história real") de dois personagens bastante distintos que passam a se corresponder por cartas e formar uma amizade. Mary é uma garotinha de 8 anos que não possui amigos e é vítima de "bully" na escola. E Max é um homem obeso de 44 anos que sofre de síndrome de Asperger e também não possui amigos. A história gira em torno de suas cartas e das consequências que elas causam.

large-Mary&Max 

                                                               Bullying

Bullying[1] é um termo inglês utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo (bully ou "valentão") ou grupo de indivíduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro indivíduo (ou grupo de indivíduos) incapaz(es) de se defender. Também existem as vítimas/agressoras, ou autores/alvos, que em determinados momentos cometem agressões, porém também são vítimas de bullying pela turma.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bullying

Asperger e bullying: associação perigosa

Para além de défices ao nível das competências sociais, estas crianças têm também dificuldades ao nível da comunicação, pois apesar de muitas vezes falarem de forma pomposa e fluente parecem ausentes do diálogo.

"Para elas, o mundo é estranho e desconcertante: as pessoas não dizem aquilo que pensam, dizem aquilo que não pensam, fazem comentários triviais e sem significado, aborrecem-se e perdem a paciência quando uma pessoa com síndrome de Asperger lhes refere centenas de factos fascinantes sobre horários, as inúmeras variedades de cenouras ou o movimento dos planetas. Também não entendem como é que as pessoas conseguem tolerar tantas luzes, sons, cheiros, texturas, paladares, sem se desnortearem, se preocupam tanto com a hierarquia social, têm relações emocionais tão complicadas, conseguem utilizar e interpretar tantas convenções sociais, são tão ilógicos."

Esta é a forma como Lorna Wing, a psiquiatra que usou pela primeira vez o termo síndrome de Asperger, caracteriza as pessoas com esta síndrome. Quem contacta diariamente com crianças com Asperger considera que esta psiquiatra faz, de uma forma sintética, uma boa caracterização deste tipo de problemática. Apesar de, cognitivamente, apresentarem capacidades médias ou acima da média, ao nível das competências sociais os portadores de Asperger apresentam défices que lhes limitam seriamente a capacidade de interagir socialmente de uma forma gratificante. Para além de terem dificuldade em estabelecer diálogo, têm tendência para fazer comentários inoportunos, "demasiado honestos", que muitas vezes magoam os outros. A dificuldade em perceber sinais não verbais e expressões faciais que exprimem sentimentos é outra característica que os define e que dificulta o estabelecimento de relações sociais satisfatórias.

Para além de défices ao nível das competências sociais, estas crianças têm também dificuldades ao nível da comunicação, pois apesar de muitas vezes falarem de forma pomposa e fluente parecem ausentes do diálogo. A dificuldade em extrair o significado de metáforas e entoações leva as pessoas com quem interagem a questionarem as suas capacidades cognitivas. O facto de habitualmente apresentarem interesses obsessivos também não facilita a comunicação, uma vez que os outros ficam rapidamente cansados de ouvir constantemente falar em carros, comboios, planetas e outros temas pelos quais habitualmente se interessam.

As dificuldades referidas levam a que estas crianças frequentemente se isolem ou sejam vítimas de abuso, nomeadamente bullying. Estes riscos exigem que sejam alvo de um acompanhamento muito próximo.
Ao abordar este tema, vêm-me imediatamente à memória os muitos casos de meninos com Asperger que vou acompanhando no SPO. O Jorge, por exemplo, que agora é aluno do 8.º ano de escolaridade, é acompanhado desde o 5.º ano. Ao longo destes anos tem havido uma articulação constante entre o director de turma, os professores do conselho de turma e os pais do aluno em questão, pois é alvo constante de agressão por parte dos colegas, alguns deles colegas novos que entram para a turma no início de cada ano lectivo. Sem intervenção e vigilância permanentes, o Jorge estaria certamente perdido neste mundo tão complexo, cheio de segundos sentidos e subtilezas.

O contacto com estas crianças, com quem habitualmente estabeleço uma excelente relação, leva-me a concordar plenamente com a opinião de Tony Attwood, psicólogo clínico especialista mundial em síndrome de Asperger, relativamente às capacidades e talentos dos portadores desta síndrome. A capacidade para estabelecerem relações de grande lealdade, o discurso isento de falsidades, a conversação objectiva e sem manipulação, a perspectiva original de resolução de problemas e a clareza de valores fazem deles pessoas muito especiais. Como diria este especialista, "Precisamos de pessoas com Asperger, uma vez que são mais criativos do que a população em geral. A cura para o cancro será provavelmente descoberta por alguém com Asperger!".

Bibliografia:
Atwood, T. (1998), A Síndrome de Asperger: Um Guia para Pais e Profissionais, Editorial Verbo, Lisboa.

terça-feira, outubro 27, 2009

"Mal-Entendidos"

O mais recente livro de Nuno Lobo Antunes

Programa “Vida Nova” com Fátima Lopes

Da Hiperactividade ao Síndrome de Asperger. Da Dislexia às Perturbações do Sono. As respostas que procura.

Excerto

«Para compreender uma criança temos de voltar ao país das memórias, reviver o que ficou para trás, habitar de novo medos de que nos esquecemos. Olhar com olhos de espanto, chamar filha a uma boneca, e replicar o milagre da criação dando-lhe voz. Para a compreender temos de voltar a pele do avesso, reduzir a dimensão do corpo na medida inversa em que cresce o sentimento. Cada criança é uma história por contar. Por vezes o Capuchinho Vermelho perde-se no bosque e não há beijo que resgate a Bela Adormecida.


Para muitas crianças a sua história pode não terminar bem, e não viverem felizes para sempre. Este livro destina-se a essas crianças e a quem delas cuida: Pais, Professores, Psicólogos ou Médicos, que querem que todas as histórias tenham um final feliz, e não deixam o Espelho Mágico dizer a nenhuma criança que há alguém mais belo do que ela.
Devem existir em Portugal cerca de 100.000 crianças com perturbações de desenvolvimento.»


Nuno Lobo Antunes, In Introdução

« Hoje mesmo, dia em que termino o meu livro, alguém começa uma história: as minhas filhas conheceram os professores e a Escola que as vai acolher. Sentados em cadeiras pequeninas, a minha mulher e eu sentíamos a insegurança de quem confia a outros o que tem de mais importante. »

sexta-feira, outubro 23, 2009

Salas Snoezelen

A sala de Snozelen é uma sala multi-sensorial que tem como objectivo a estimulação sensorial e/ou a diminuição dos níveis de ansiedade e de tensão.

Conceito

O Conceito da sala de Snoezelen proporciona conforto, através do uso de estímulos controlados, e oferece uma grande quantidade de estímulos sensoriais, que podem ser usados de forma individual ou combinada dos efeitos da música, notas, sons, luz, estimulação táctil e aromas.Snoezelen

O ambiente, que a sala de Snoezelen proporciona, é seguro e não ameaçador, promovendo o auto-controlo, autonomia, descoberta e exploração, bem como efeitos terapêuticos e pedagógicos positivos.

O ambiente multisensorial permite estimular os sentidos primários tais como o toque, o paladar, a visão, o som, o cheiro, sem existir necessidade de recorrer às capacidades intelectuais mas sim às capacidades sensoriais dos indivíduos. A confiança e o relaxamento são incentivados através de terapias não directivas.

O uso de um ambiente multisensorial permite que as terapias sejam únicas para cada utente.

 snoezelen_001 Benefícios da Sala de Snoezelen

  • Promove o relaxamento, lazer e diversão;
  • Estimula os sentidos primários;
  • Permite a exploração, descoberta, escolha e a oportunidade de controlar o ambiente;
  • Aumenta a compreensão do utente em relação ao gosta/não gosta;
  • Permite a estimulação esfincteriana;
  • A variedade de actividades permite explorar as necessidades bem como as preferências;
  • Permite o trabalho individual ou em grupo, servindo para o controlo da ansiedade;
  • Incentiva o movimento e a motivação;
  • Motiva para a aprendizagem;
  • Facilita a libertação de stress;
  • Promove a consciência da equipa técnica sobre a importância dos sentidos primários;
  • O uso de equipamento sensorial pode ser benéfico para todas as idades e diagnósticos;
  • Estimula o surgir de emoções positivas tais como o bem-estar, relaxamento, satisfação e alegria.

O equipamento que constitui a sala estimula a interacção do indivíduo com o que o rodeia, bem como, a construção e estruturação de imagens do seu mundo.

Obtido em "http://pt.wikipedia.org/wiki/Snoezelen"

APCG - Associação Paralisia Cerebral de Guimarães

Inaugurada «Sala de Snoezelen» em Marco de Canaveses

O espaço que vai servir para estimular crianças com deficiência. O equipamento vai poder ser utilizado por todas as crianças com necessidades especiais, deste concelho. Ou atravessar esta porta o João entrou no mundo novo, um mundo de sensações desistimos de cor e música. Eu o primeiro a usar esta sala de no plano, um espaço criado pela Câmara do Marco de Canaveses na Escola EB um do Cruzeiro banho pendurada, e ao fim de meia hora, já se notavam efeitos. Nesta escola há 10 crianças que vão poder tirar benefícios deste equipamentos, mas o investimento de 20 mil euros feito pela Câmara, vai servir todas as crianças em idade escolar, como última Ciência e deficiência grave do Fundão. E estes equipamentos podem representar uma melhoria na qualidade de vida destas crianças. As sessões vão ser preparadas individualmente para trabalhar as necessidades de cada um. Quem trabalha com elas a de que as mudanças nunca são rápidas mas é que não um João. Agora é esperar que esta sala possa operar mudanças positivas na vida de todas as crianças que dela precisam. ..

 

Fiocruz desenvolve exame inédito, e mais confiável, para autismo

autismo_300

O Brasil está desenvolvendo um exame laboratorial inédito para o diagnóstico do autismo, uma alteração caracterizada por isolar seu portador do mundo ao redor. O método promete ser uma alternativa mais confiável aos testes de laboratório hoje usados para identificar a doença. "Ainda estamos em fase de estudos, mas os resultados são promissores", diz o pesquisador responsável, Vladmir Lazarev, do Instituto Fernandes Figueira, centro de pesquisas ligado à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro. "Testamos o método em 16 autistas jovens e obtivemos dados homogêneos, muito significativos estatisticamente. Agora, queremos fazer novos testes. A previsão é de que o exame esteja pronto em até cinco anos."

De acordo com Lazarev, cientista russo radicado no Brasil há 15 anos, a vantagem do novo método está no uso da foto-estimulação rítmica. O recurso torna o exame mais completo que outros. Em linguagem comum: durante o já usual encefalograma (radiografia), projeta-se sobre o paciente uma luz que pisca de forma ritmada, estimulando o cérebro a acompanhar. Como o autismo é uma doença do cérebro, a reação deste ao estímulo luminoso pode indicar se ele se enquadra ou não no campo da doença.

Os 16 autistas examinados durante a pesquisa, por exemplo, apresentaram deficiência no lado direito do cérebro. Nesta parte, que é responsável pelas habilidades sócioafetivas da pessoa - confira aqui quadro sobre o cérebro -, a mente dos pacientes seguia o ritmo da luz, mas de maneira mais tímida. "Com isso, podemos concluir que há uma deficiência funcional no hemisfério cerebral direito do autista", explica Lazarev.

Exames de imagem como a encefalografia (radiografia do cérebro feita após a retirada de um fluido do local) ou o próprio encefalograma, se empregados sozinhos, deixam o paciente em estado de repouso. Nessa situação, não se nota nenhuma alteração na atividade elétrica do cérebro. Os resultados, portanto, nem sempre são satisfatórios.

arte-cerebro

Diagnóstico complexo - Os métodos laboratoriais, chamados de métodos de tipo objetivo, complementam o diagnóstico do autismo feito clinicamente, quando o paciente, em geral uma criança, é avaliado por médicos de diferentes especializações: pediatra, neurologista e fonoaudiólogo, além de um psicólogo. Ou seja, isoladamente, o parecer deve sempre ser associado aos exames de laboratório. "A dificuldade em diagnosticar clinicamente o autismo se deve ao fato de a doença, um mal neuropsiquiátrico funcional, ter aspectos parecidos com os de outras enfermidades", explica Lazarev. Daí a importância de um diagnóstico objetivo cada vez mais confiável.

A grande maioria dos doentes - entre 60% e 70% - tem comprometimento da linguagem, em níveis variáveis. O restante - de 30% a 40% - tem linguagem e inteligência normais e, tecnicamente, são chamados de autistas de alto desempenho. Embora sejam iguais aos demais na dificuldade de compreender o contexto em que se encontram, emitem menos sinais da doença, que pode demorar a ser identificada e tratada. Isso é um fator de risco.

Entenda melhor a doença - Segundo Adailton Pontes, parceiro de Lazarev na pesquisa, o autismo é considerado hoje não apenas uma doença, mas uma série de distúrbios de desenvolvimento capazes de comprometer a interação social, a comunicação social e as habilidades imaginativas. "O autismo não é uma coisa única, há várias formas de autismos que variam no grau de comprometimento das funções - mais leve, moderado, mais grave e com níveis diferentes de inteligência", diz o pesquisador.

A base da doença é genética. O papel do ambiente - das influências externas recebidas pelo autista - ainda é desconhecido. "O que se sabe é que a pessoa nasce com predisposição para o autismo e, já a partir dos dois anos pode apresentar os primeiros sinais da doença, como a ausência de linguagem e a dificuldade de brincar", conta Pontes. "O ideal é diagnosticar a doença até os três anos. Está provado que, quando se faz a intervenção precoce, o prognóstico é melhor. Eles não vão se curar, mas vão se desenvolver mais, vão superar algumas dificuldades que os outros podem não superar porque não foram estimulados."

O autismo não tem cura, mas o portador da doença pode tomar remédios contra sintomas específicos, como a agressividade.

quarta-feira, outubro 21, 2009

Mitos & Verdades

O Mito: os autistas têm mundo próprio.

A Verdade: Os autistas têm dificuldades de comunicação, mas no  mundo próprio de jeito nenhum. O duro é que se comunicar é difícil para eles, nós não entendemos, acaba nossa paciência e os conflitos vêm. Ensiná-los a se comunicar pode ser difícil, mas acaba com estes conflitos.

O Mito: Os autistas são super inteligentes.

A Verdade: Assim como as pessoas normais, os autistas tem variações de inteligência se comparados um ao outro. É muito comum apresentarem níveis de retardo mental.

O Mito: Os autistas não gostam de carinho.

A Verdade: Todos gostam de carinho, com os autistas não é diferente. Acontece que alguns têm dificuldades com relação a sensação tátil, podem sentir-se sufocados com um abraço por exemplo. Nestes casos deve-se ir aos poucos, querer um abraço eles querem, a questão é entender as sensações. Procure avisar antes que vai abraça-lo, prepare-o primeiro por assim dizer. Com o tempo esta fase será dispensada. O carinho faz bem para eles como faz para nós.

O Mito: Os autistas gostam de ficar sozinhos.

A Verdade: Os autistas gostam de estar com os outros, principalmente se sentir-se bem com as pessoas, mesmo que não participem, gostam de estar perto dos outros. Podem as vezes estranhar quando o barulho for excessivo, ou gritar em sinal de satisfação, quando seus gritos não são compreendidos, muitas vezes pensamos que não estão gostando. Tente interpretar seus gritos.

O Mito: Eles são assim por causa da mãe ou porque não são amados.

A Verdade: O autismo é um distúrbio neurológico, pode acontecer em qualquer família, religião etc. A maior parte das famílias em todo o mundo tendem a mimá-los e superprotegê- los, são muito amados, a teoria da mãe galinha foi criada por ignorância, no início do século passado e foi por terra pouco tempo depois. É um absurdo sem anexo.

O Mito: os autistas não gostam das pessoas.

A Verdade: Os autistas amam sim, só que nem sempre sabem demonstrar isso. Os problemas e dificuldades de comunicação deles os impedem de ser tão carinhosos ou expressivos, mas acredite que mesmo quietinho, no canto deles, eles amam sim, sentem sim, até mais que os outros.

O Mito: Os autistas não entendem nada do que está acontecendo.

A Verdade: Os autistas podem estar entendendo sim, nossa medida de entendimento se dá pela fala, logo se a pessoa não fala, acreditamos não estar entendendo, mas assim como qualquer criança que achamos não estar prestando atenção, não estar entendendo, de repente a criança vem com uma tirada qualquer e vemos que ela não perdeu nada do que se falou, o autista só tem a desvantagem de não poder falar. Pense bem antes de falar algo perto deles.

O Mito: O certo é interná-lo, afinal numa instituição saberão como cuidá-lo.

A Verdade: Toda a criança precisa do amor de sua família, a instituição pode ter terapeutas, médicos, mas o autista precisa de mais do que isto, precisa de amor, de todo o amor que uma família pode dar, as terapias fazem parte, uma mãe, um pai ou alguém levá-lo e trazê-lo também.

O Mito: Ele grita, esperneia porque é mal educado.

A Verdade: O autista não sabe se comunicar, tem medos, tem dificuldades com o novo, prefere a segurança da rotina, então um caminho novo, a saída de um brinquedo leva-os a tentar uma desesperada comunicação, e usam a que sabem melhor, gritar e espernear. Nós sabemos que isto não é certo, mas nos irritamos, nos preocupamos com olhares dos outros, as vezes até ouvimos aqueles que dizem que a criança precisa apanhar, mas nada disto é necessário, se desse certo bater, todo o burro viraria doutor! Esta fase de gritar e espernear passa, é duro, mas passa. Mesmo que pareça que ele não entenda, diga antes de sair que vai por ali, por aqui etc. e seja firme em suas decisões. Não ligue para os olhares dos outros, você tem mais o que fazer. Não bata na criança , isto não ajudará em nada, nem a você e nem a ele. Diga com firmeza que precisa ir embora por exemplo, e mantenha-se firme por fora, por mais difícil que seja. Esta fase passa, eles precisarão ser a firmeza do outro.

terça-feira, outubro 20, 2009

1º. Seminário Luso Americano sobre Paralisia Cerebral e Autismo ...

Therapie4kids convida médicos, terapeutas, professores e pais de crianças com atrasos no desenvolvimento Físico incluindo Paralisia Cerebral, Autismo, Traumatismo Craniano, Syndrome de West, Down, entre outras para participarem neste seminário a ser realizado no Auditório da Lipor, em Baguim do Monte(conselho de Gondomar) no próximo dia 7 de Novembro 2009, entre as 12h00 ás 18h00. A Therapie4Kids de Ft Lauderdale, Florida –EUA, é uma clinica mundialmente famosa especializada no tratamento neuro Pediatra intensivo, utilizando técnicas e ferramentas modernas como o PediasuitTM e também o uso de Câmaras monoposto de Oxigênio através da Clinica Hyperbarics of Palm Beach.

Os assuntos abrangidos no Seminário incluem:

1) Terapias Físicas intensivas para a Neuropediatria

1.a. Suittherapycom uso do Pediasuit

1.b. Terapia Ocupacional com uso do Pediasuit

1.c. Terapia sensorial de integração

1.d. Terapia da fala com dispositivos de comportamento e comunicação

1.e. Terapia da Contenção Indusida

1.f. Terapia do golfinho e Terapia dos cavalos

2) Terapia do oxigénio Hyperbarico

2.a. Benefícios HBOT para o tratamento neurológico

2.a.a tratamentos de feridas.

2.b. Protocolo usado para a parelisia cerebral e autismo.

2.c. Monochambers comtra multi câmaras

2.d. Câmaras fixas e câmaras portáteis.

2.e. Medidas de segurança e equipamentos modernos.

2.f. Estudos de casos tratados com oxigénio.

3) Procedimentos para proteger o cerebro

3.a. História da Vacinação.

3.b. A vacinação e a relação ao Autismo.

3.c. Os benefícios de trajectos específicos da nutrição para as crianças especiais.

Intervenientes / Oradores :

Dra Patricia Labella

Dra Aeleen Garrido- Tortorici

Dr. Andrew Moulden

Dr .Leonardo de Oliveira (Médico Português, por confirmar)

A entrada é livre . Está também incluido um almoço ligeiro para algum convívio.

Para mais informações contactar:

Ezequiel Moreira- TLM.- 960 262 837 – Email- emoreira@iol.pt.

segunda-feira, outubro 19, 2009

Autistas ensaiam manobras radicais

A integração foi o mote da iniciativa ontem participada por perto de 20 crianças autistas. Após viagens de comboio e autocarro, vestiram um fato de mergulho e praticaram, pela primeira vez, bodyboard. "Uma experiência única para muitos deles."

Maravilharam-se com a paisagem que fugia pelos vidros do comboio mas assustaram-se, alguns, quando se viram na praia do Cabedelo, em Viana do Castelo, com o mar a curta distância.

Pedro, de oito anos, não tirava os olhos das ondas desde que saíra do autocarro, recusando-se, peremptoriamente, a entrar na água. "Quero ir para casa! Já, mãe!" Apesar do apelo, momentos depois o menor vestia um fato de neoprene e, munido de uma prancha de bodyboard, saltava sobre a rebentação e entrava na água, a exemplo das restantes crianças que, a princípio, recearam tomar parte na brincadeira.

"Ninguém consegue explicar, mas as expressões deles mudam quando estão na água. Interagem melhor connosco dentro da água, além de se notar que estão muito mais felizes", explicou Raquel Abreu, psicóloga da Associação de Amigos do Autismo (AMA), entidade que promoveu a iniciativa com os olhos postos na integração social dos menores.

"Trata-se de facultar a estas crianças as oportunidades que lhes são, muitas vezes, privadas, devido a alterações de comportamento", continuou a responsável pela actividade de ontem e terapeuta da associação, Gisela Brás, acentuando que a proposta teve, também, por meta sensibilizar a comunidade para a problemática.

Para Sérgio Martins, voluntário da AMA e com perto de 30 anos de trabalho ligado à reabilitação de pessoas com deficiência, a proposta levada a efeito assemelhou-se "quase a uma aventura". E assinala: "em termos de reabilitação, muito está por fazer. No que concerne ao autismo então nem se fala". Docente e pai de uma criança autista, Jorge Cruz aludiria mesmo à terapia da água como "fundamental" para a integração: "é um meio onde eles se sentem mais à vontade. Mais livres".

Assegurando que a colectividade pretende dinamizar um conjunto de desportos "onde eles se possam sentir bem", caso da hipoterapia, o presidente da AMA, Marco Reis, vincou que a proposta não representa qualquer custo para as famílias. "As pessoas não têm de pagar nada pelas actividades, só assim é que se consegue a igualdade de oportunidades", asseverou, considerando para tal necessário "vencer complexos, muitos das próprias famílias".

Bruna Teresa - SINDROME DE MORSIER

Hoje tive conhecimento da doença desta criança, vamos todos contribuir financeiramente com o que podermos, para a Bruna continuar a sorrir.

Aqui está a sua história:

Mais informações no blogue: http://www.bruninha.org/

A DOENÇA DA BRUNA (resumida ao máximo):

Olá a todos,sou uma menina de 4 anos de idade, e chamo-me Bruna Teresa.

Nasci com as 40 semanas da gestação, de cesariana e pesava 3.500gr.
Corria tudo muito bem, até que na consulta de Pediatria dos 2 meses foi visto que eu tinha um problema nos olhos.
Fui então encaminhada para um Oftalmologista Pediátrico onde esse mesmo disse aos meus papás que eu era cega e que sofria de Displasia septo-óptica (situação clínica grave caracterizada por nistagmo congénito , ausência de septo-pelúcido, hipoplasia dos nervos ópticos), foi aí que o mundo desabou em cima dos meus papás...Voltamos ao Pediatra, onde ele disse que me iria internar para estudo de possível suspeita de Displasia septo-óptica.


Internou-me no Hospital S. João de Deus V.N Famalicão,e lá disse-me que eu sofria de uma DISPLASIA SEPTO-ÓPTICA ( SINDROME DE MORSIER), é uma desordem rara que provoca cegueira, problemas hormonais,problemas na mastigação, estes são os que actualmente eu tenho (sofro), mas ao longo da minha vida podem aparecer muito mais...


Os meus papás têm tido uma luta imparável para comigo, pois querem que eu dentro das minhas limitações possa ter uma vida normal como a de qualquer outra criança. Há 15 dias atrás encontrou a Ana Catarina de Lisboa com o mesmo Síndrome. A minha mamã conseguiu falar com a mãe da Catarina e foi quando soube da cura que existe para este Síndrome na China, já fizeram 15 tratamentos com crianças entre os 10 meses, 4 anos, e 16 anos de idade e todos os tratamentos foram efectuados com sucesso.


Este tratamento é efectuado com células estaminais, as quais são injectadas na espinal medula, e tem a duração de aproximadamente 6 a 8 semanas. Os meus papás querem muito me levar lá para esse mesmo tratamento, mas como sabem o nosso governo não ajuda nada o tratamento, as viagens são muito caras. São necessários aproximadamente 50 mil euros. Eu apelo-vos que ajudem os meus papás a poderem-me levar à China para este tratamento, nem que seja com muito pouco, os meus papás e eu agradecemos do fundo do coração a ajuda..
OBRIGADO !!


Aqui fica a informação toda necessária que poderá necessitar:
Banco: Caixa Geral de Depósitos
Titular: Bruna Teresa Pinho Tavares
NR: 0831 033555000
Balcão: Vale de Cambra
Nib: 003508310003355500028
IBAN: PT50003508310003355500028 BIC: CGDIPTPL
Alguma dúvida, por favor contacte este número, agradecemos...
Jorge Tavares: 916463868
Márcia Tavares: 914654292

Semana da Alimentação

Esta semana correu lindamente! Trabalhámos a História: A Sopa Verde..os meninos conseguiram interiorizar que a sopa verde é a melhor com legumes e vegetais…trabalhámos as cores, as texturas e os sabores.Na sala cozinhámos: pão e pipocas. Brincámos com a beringela, a sra cebola, o alho frances e a batata enfeitámos-los e foram os nossos fantoches desta semana.

As diferentes emoções e gostos pelos alimentos e em especial por a sopa ficaram no nosso placard:uma grande panela feita de papel prata e os legumes feitos em esferobite pintados pelos meninos. Agora todos gostam da sopa VERDE!!

A sopa verde - capa

Ai, Ai, Ai...

Quis para mim esta manhã

O meu malfadado destino,

Que Dr. Leitão, meu pediatra,

Me achasse assim franzino.

Eu nem queria acreditar,

Estava tudo a correr mal:

"Todos os dias uma sopa

Com uma pitada de sal".

Voltei triste e amuado

E não queiram nem saber...

Logo ao chegar a casa,

Vi sopa verde a ferver.

Que enganados estão.

Na minha boca não a hão-de pôr!

Hei-de pular e guinchar e estrebuchar,

E nunca comer caldo de tal cor.

Quero sopa de laranja,

Que é muito mais saborosa

Do que batata, cenoura ou nabo.

Que mixórdia tão duvidosa...

 

A sopa verde - 002

O meu pai, passado tempo

Finalmente disse que sim.

Lavou as laranjas, contrariado,

E cozinhou-as para mim.

Estava pronta a minha sopa

Cor-de-laranja, naturalmente!

Que ideia tão apetecível

Eu tive assim de repente!

PUÁÀÀÀÀÀ!!!

Que sabor tão esquisito!

Não quero mais, deita fora

Se me deres outra vez... grito!

Quero sopa de morango!

Que sou de gosto nobre.

Não como cebola, couve ou alho,

Nem coisas de sabor pobre.

O meu pai, passado tempo

Finalmente disse que sim.

Lavou os morangos, irritado,

E cozinhou-os só para mim.

Estava pronta a minha sopa,

De um vermelho transparente.

Desta vez acertei!

Estou a ficar experiente!

AAAAAAAAGH!!!

Que sabor horroroso!

Pára, não quero mais.

Tenho de ser mais cuidadoso...

Quero sopa de chocolate,

Não há nada que eu mais goste!

Qual alho-francês, qual fava,

Não desejo a ninguém tal sorte...

O meu pai, passado tempo

Finalmente disse que sim.

Lavou o chocolate, irritado,

E cozinhou-o só para mim.

Estava pronta a minha sopa

Castanha e apetitosa!

Comer assim não custa nada,

Sopa tem de ser saborosa!

CUIIIIIIIIIIIM!!!

Que horror, até me falta o ar!

Esta sopa é a pior de todas

Mas a próxima vou acertar...

 

A sopa verde - 003

"Chega, estou farto!" - disse o meu pai.

"Não há pachorra para tantas asneiras.

Faço-te sopa de hortaliça,

Queiras ou não queiras!"

O meu pai lavou a couve, a cenoura e o nabo,

E como se isso não bastasse,

Juntou grão de bico, cebola,

E até alho e espinafre...

Estava pronta a sopa verde

Toda verde, que triste fim!

Como se pode gostar de sopa,

Com tanta coisa ruim?

HUUUUUUMMMMMMM!!!

 

A sopa verde - 004 Aqui está mais um placard feito pelos nossos meninos!!!!!!

161020091940

E as nossas pipocas e pão!!!!!

161020091928

161020091935

161020091936

161020091932

domingo, outubro 18, 2009

Mãe de Sara precisa de ajuda

 A Mãe da Sara q está na nossa sala de Ensino Estruturado pertencendo á escola E.B.1 de S.Donato em Guilhovai (OVAR) , têm de se deslocar de Avanca até á nossa sala com a sua menina Sara de 5anos de idade com Pertubações de Espectro Autista de Bicicleta,já que não têm outro meio de transporte, tudo porque vive na freguesia de Avanca sendo esta pertencendo ao conselho de Estarreja.

Como Avanca não pertence ao conselho de  Ovar a mãe da Sara não têm direito á carrinha que é disponibilizada pela Camara ,  sendo esta “obrigada” a vir viver para Ovar já que só assim é que têm esse direito da carrinha.

Carla seu nome, têm o apoio da Camâra Municipal de Estarreja  sendo esta contríbuindo com 2,00€ por cada dia de deslocação…Aqui está anexado o Despacho -http://www.cm-estarreja.pt/documentos/1600/Acta_20_da_reuniao_de_01_09_2009.pdf

Carla Natália Ferreira Oliveira Silva pede por favor se alguém têm conhecimento de alguma casa para alugar em Ovar envolvendo a renda de 200€ que é o que pode pagar já que não têm mais possibilidades…

Podem enviar para o nosso email caso tenham algum conhecimento….Obrigada…

anaalves_643@hotmail.com

quinta-feira, outubro 15, 2009

Terapia do Movimento

Tradução do link:

http://www.foxnews.com/story/0,2933,561324,00.html

O DVD de Treinamento no programa encontra-se disponível no site:

http://www.autismmovementtherapy.com/

O cérebro é a maior maravilha de processamento de informações.

Nós processamos e armazenamos a informação em áreas específicas do cérebro para utilizá-las a longo prazo ou a curto prazo. Quando nós precisamos dessa informação outra vez, nós a recuperamos através de um caminho utilizando a massa branca do cérebro que está na área total do cérebro, a massa cinzenta.

O processo de mapeamento de informações no cérebro é muito interessante. Imagine que você se muda para uma nova casa. Você não sabe onde encontrar a mercearia, a lavanderia de limpeza seco, o posto de gasolina ou nenhum outro estabelecimento que você precisa diariamente. Mas dentro de um curto período de tempo você encontra estes lugares e já não tem que pensar sobre as direções específicas que você tem que tomar para chegar a determinados lugares. Você entra em seu carro vira aqui, dobra ali e chega ao local como se estivesse ligado ao "piloto automático". Diariamente nós traçamos centenas de fragmentos de informações arquivando-as em nosso cérebro. Sem mesmo ter que pensar, quando nós precisamos de determinada informação nós recuperamos o arquivo indo diretamente até ele, através dos mapas cognitivos ou dos caminhos construidos.

Os indivíduos com autismo têm a dificuldade de alcançar e recuperar a informação nos bancos de memória de longo ou curto prazo. Ou o caminho não existe ou os transmissores são danificados. Isto faz a aprendizagem especialmente difícil para eles. A analogia é que os cérebros das nossas crianças funcionam como uma biblioteca onde nenhuma das informações são armazenadas de maneira organizada e categorizada. Pense na confusão que isto causa! A boa notícia é que os cientistas sabem agora que nós podemos frequentemente restaurar caminhos informativos danificados ou mesmo criar caminhos novos com um processo chamado reorientação cognitiva. Este “acordar o cérebro” é o núcleo da terapia do movimento do autismo.

O que é terapia do movimento do autismo?

AMT é uma poderosa estratégia de integração sensorial que conecta os hemisférios esquerdo e direito do cérebro (integração interhemisférica) combinando a modelação, o cálculo de movimento visual, o processamento receptivo auditivo, o ritmo e o sequenciamento “em uma aproximação de pensamento cognitivo do cérebro inteiro” que pode melhorar significativamente as habilidades comportamentais, emocionais, acadêmicas, sociais e discursivas.

O objetivo fundamental da terapia do movimento do autismo é que após 12 -14 semanas de duas ou três sessões semanais de 12 minutos, o indivíduo será mais complacente quando pedido para terminar tarefas, interagirá com os pares típicos seguindo instruções gerais mais freqüentemente, e estará usando ambos os lados de seu cérebro para isso. Aumentar a auto-determinação, junto com uma auto-estima mais saudável, são objetivos que vem em sequência.

Qual é a teoria atrás da terapia do movimento do autismo?

Nos indivíduos com autismo os hemisférios do cérebro esquerdo e direito na maior parte das vezes, não se comunicam um com o outro. O hemisfério esquerdo (analítico) ou lógico do cérebro é: verbal, responde ao significado da palavra, é seqüencial,processa a informação de forma linear, responde à lógica e faz planejamentos, recorda nomes de pessoas, faz utilizar a fala com poucos gestos, é pontual, prefere formas rígidas de estudo, prefere luzes brilhantes ao estudar. O hemisfério direito (global) ou artístico é: o visual, responde ao tom de voz, processa informações de forma aleatória e variada, responde à emoção, é impulsivo, recorda as feições das pessoas, produz gestos ao falar, é menos pontual, prefere o som ou a música no fundo ao estudar e prefere a mobilidade freqüente ao estudar. A informação viaja através do corpo caloso, que serve como a canalização ou a ponte entre os hemisférios esquerdo e direito. Os estudos indicam que esta ponte pode ser reforçada. AMT é projetada reorientar o cérebro cognitivamente. AMT usa a repetição de testes padrões e de seqüências do movimento para estabelecer caminhos legítimos ou estradas para que a informação viaje longitudinalmente. Isto ajuda indivíduos com autismo em processar, em armazenar e em recuperar a informação em uma maneira mais eficiente e mais eficaz.

Como pode isto ser possível?

Pense da seguinte maneira: Você compra uma casa nova com um quintal nos fundos. A residência é de primeira locação e a grama do quintal é verde, encantadora e cobre todo o terreno. Alguém começa a usar a lavanderia, que se encontra após o gramado. Após um tempo inevitavelmente se formará um caminho na grama ligando a casa a lavanderia. Isto é como nós fazemos caminhos novos no cérebro, tendo o curso da informação para a frente e para trás, repetidamente outra vez, ao longo dos mesmos transmissores da massa branca do cérebro até que o cérebro estabeleça que a rota viajada é o caminho preferido para a informação armazenada. Não parece tão impossível, certo?

Certamente muitos pais e profissionais acharão o seguinte exemplo familiar.

Uma criança com autismo vai ao parque com seu pai. Vê um cão e quando se inclina para baixo para acariciá-lo, seu pai olha para o céu e diz, “que céu azul encantador.” Um mês mais tarde o menino vê um cão na casa de um amigo. Apressa-se imediatamente para acariciar o cão e diz, “que encantador céu azul” - as palavras que ele mapeou cognitivamente e armazenou em seu banco de memória durante o seu passeio ao parque. Por estar experimentando novamente a mesma atividade, uma que apreciou, seu cérebro recupera as palavras (discurso) que ouviu de seu pai (informação audio receptiva) que foram armazenadas junto com a imagem do cão (língua) e a ação de carícia (motor bruto). Quando a criança diz “o céu azul,” os adultos interpretam mal e entendem mal a criança imaginando que o menino acha que o nome do cão é “céu azul.”

Na realidade, a imagem do cão era o disparador visual para a recuperação da informação armazenada no cérebro do menino. Cada um de nós processa as informações desta mesma maneira. A diferença entre processar a informação correta ou errada, como no exemplo acima, é dependente da interpretação negativa ou positiva da informação. Nós processamos as informações através das sugestões audio, visuais e naturais, que se transformam por sua vez em disparadores. Uma imagem visual pode ser um disparador assim como a informação auditiva e muitas vezes ambas transformam-se disparadores para o processo de recuparação de informações.

A terapia do movimento do autismo utiliza estas diferentes formas de processamento e disparadores de informação para remapear o cérebro. Exige que as crianças usem a língua receptiva para ouvir a música, processamento visual para ver a imagem física e as habilidades motoras brutas para reproduzir o que vêem.

Como funciona uma sessão de Terapia do Movimento do Autismo?

AMT é divertimento, envolvendo a música e a dança que serve a todas as idades! O programa está disponível através de aulas ou com um DVD instrutivo.

AMT é dividido em três níveis que levam aproximadamente 12-15 minutos para terminar, com umaq divertida sessão de hip-hop no final. Cada um dos três níveis é dividido em mais cinco subseções: Um aquecimento, um movimento estacionário, um movimento de locomoção, uma improvisação e um relaxamento.

Mais importante, cada um dos três níveis é projetado como um patamar do nível acima 3 em 2, e em 2 em 1. O estudante começa com o nível 1 e com a repetição e a previsibilidade move-se para o nível seguinte quando dominou a seqüência e os padrões do movimento, tempo e ritmo da seção atual. Ou seja, move-se quando mapeou a seqüência e a padronização de movimentos (informação) e quando seu corpo responderá confiantemente a essa informação (disparadores).

O nível 1 é projetado para indivíduos com habilidades motoras grossa e fina e habilidades cognitivas emergentes.

O nível 1 introduz e treina o indivíduo “para traçar um caminho” escutando a música (que usa seu cérebro direito), interpretando visualmente o movimento corporal do demonstrador (que usa seu cérebro esquerdo), e mover conseqüentemente seu corpo no espaço com o ritmo da música (a aproximação inteira do cérebro). O nível 1 é essencialmente " Escute, veja e faça."

O nível 2, é o nível de desenvolver habilidades, é projetado para o indivíduo que está mais avançado em suas habilidades finas, brutas, e cognitivas e que dominou a seção do nível 1.

O nível 2 centra-se sobre seqüências mais longas, movimentos padrões mais complexos, e uma apreciação geral da forma da dança.

O nível 3, o nível proficiente, é projetado para o estudante que dominou as habilidades no nível 1 e no nível 2. Esta seção envolve sequências e movimentos padrões mais complexos e combina a improvisação com movimentos desafiantes.

O nível 4 é o nível de Hip Hop ou o nível instrutivo independente. Este nível é projetado para que o estudante dance à batida, usando as habilidades de ritmo e cadência que adquiriram nos três níveis precedentes e para ter o divertimento! Nossos crianças se sentem tão frequentemente deixadas de lado em festas e reuniões de família que este nível criativo os ajudam a se juntarem espontaneamente.

O objetivo é que o estudante mova facilmente do nível 1 ao nível 3 rapidamente Quanto tempo isto demora depende de cada estudante, como o cérebro irá responder a esse remapeamento e quão rapidamente os transmissores serão reprogramados. O último objetivo é que o estudante possa executar combinações independentes, sem o modelo adulto. A reorientação cognitiva exige dedicação e perseverança, junto com a repetição e a previsibilidade, chaves para a integração sensorial interhemisférica bem sucedida.

Nós queremos que nossas crianças executem bem as tarefas propostas; dominar estas habilidades básicas pode ter um impacto enorme em todas as áreas restantes da aprendizagem. Nós igualmente queremos que eles sejam o melhor que podem ser.

A terapia do movimento do autismo estimula o cérebro e acorda as áreas que estão dormentes. Mas, como a vida, é um processo e, duas crianças não respondem exatamente da mesma maneira. O programa pode ser usado com os jovens e crianças a partir de 3 anos de idade, contudo foi mostrado ser eficaz quando começado com adolescentes da mesma maneira. Como nós todos dizemos em nossa clínica, não desanime, anime-se! Treine novamente seu cérebro!

Histórias de fazer arrepiar

sofia alves 15 | 10 | 2009  -Destak

Sofia Alves protagoniza a minissérie 37 cheia de mistério e suspense na TVI.

Vera Valadas Ferreira | vferreira@destak.pt

Sofia Alves é a protagonista da minissérie intitulada 37. Escrita por Rui Vilhena para a TVI, a trama combina várias histórias, repletas de mistério, num imaginário que evoca a cinematografia de Alfred Hitchcock. No formato que abordará temas actuais como o autismo, as personagens desaparecerão à razão de uma por episódio.

Um desafio que Sofia Alves, que vimos mais recentemente no papel de protagonista da novela Flor do Mar, abraçará já a partir da próxima semana, quando arrancarem as gravações dos seis episódios previstos.

Pedro Granger, Cucha Carvalheiro e Pedro do Carmo são outros dos nomes do elenco deste sonho antigo de Rui Vilhena, verdadeiro aficionado do suspense hitchcockiano. Trata-se da primeira de três minisséries que a produtora Plural está a preparar, sob o aval da TVI.

Em 37, Sofia Alves será Helena, uma portuguesa regressada dos EUA. Reconhecida lá fora, após 10 anos de diáspora, Helena acaba de ser convidada para encetar um trabalho pioneiro no nosso país. E, no entretanto, por culpa do passado, vê-se envolvida num homicídio.

O filme de culto Shinning é outras das referências possíveis de decifrar neste thriller filmado nos corredores de uma universidade. Aqui, tudo promete estar envolto em mistério, a começar pelo próprio número que serve de título à história.

quarta-feira, outubro 14, 2009

História da semana “A Galinha Ruiva”

galinha ruiva

Era uma vez uma galinha ruiva que encontrou alguns grãos de trigo. Mas ninguém queria ajudá-la a semeá-los. Com texturas novas para tocar, esta é uma história para ler com a ponta dos dedos.

Aqui vai o nosso placard feito pelos meninos da nossa sala!!!!!BJINHOS091020091923

Hacker britânico perdeu a luta contra a sua extradição para os EUA

gary mckinnon

O britânico Gary McKinnon, mais conhecido por “hacker do Pentágono”, perdeu a luta contra a sua extradição para os Estados Unidos. Foi-lhe recusada a hipótese de apelar junto do Supremo Tribunal britânico contra a decisão da sua extradição para os EUA, onde será acusado de ter entrado nas redes militares do departamento de Defesa norte-americano.

McKinnon, cujo “nickname” era “Solo”, é acusado pelos EUA de ter acedido, entre Fevereiro de 2001 e Março de 2002, a 97 computadores da agência espacial norte-americana (NASA), do Exército, da Marinha, do Departamento de Defesa e da Força Aérea, como o objectivo de – segundo a acusação – intimidar o Governo.

O “hacker do Pentágono”, que foi detido em 2005, admitiu há algum tempo ter acedido a partir do seu computador de casa, em Londres, às máquinas do Governo dos EUA, mas sempre negou ter causado danos nos sistemas. McKinnon admite que apenas estava à procura de informação secreta sobre Objectos Voadores Não-Identificados (ONVI), a sua obsessão.

O tribunal decidiu que o caso não levanta “pontos jurídicos de relevância pública geral”, necessários para que o processo possa ascender a uma instância superior.

Esta decisão põe fim a todas as hipóteses legais no Reino Unido de Gary McKinnon não ser extraditado. Os seus advogados admitem, porém, a possibilidade de recorreram ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, em Estrasburgo.

Ao anunciar a decisão do tribunal, o juiz Stanley Burnton, disse que a extradição de McKinnon “é legal e adequada” à sua alegada ofensa, cita o Guardian.

A mãe de McKinnon, Janis Sharp, disse que a decisão do tribunal é desprovida de humanidade. “Nenhum outro país do mundo ofereceria tão voluntariamente os seus cidadãos para serem os cordeiros sacrificiais dos Estados Unidos apenas para salvaguardarem a sua ‘relação política especial’”, indicou, citada pelo Guardian.

Karen Todner, advogada de McKinnon, disse que o julgamento está a ter um efeito “devastador” na saúde do homem de 43 anos. “Ele é um homem muito vulnerável, num estado muito frágil e isto é um enorme golpe para si e para a sua família”, acrescentou.

“Porque é que o nosso governo é desumano a ponto de permitir que isto aconteça a uma pessoa, sobretudo a uma pessoa que sofre de síndroma de Asperger (uma forma de autismo)? Este é um caso de perseguição a um indivíduo pelos Estados Unidos e, agora, pelo nosso próprio governo”, disse Karen Todner.

“O nosso tratado de extradição com os Estados Unidos é injusto e prejudicial para os cidadãos do Reino Unido e deveria ser repelido ou emendado imediatamente”, concluiu a advogada

terça-feira, outubro 13, 2009

Ben X

Ben é um jovem que sofre de síndrome de Asperger, espécie de autismo, que o torna diferente dos seus colegas de escola, levando-o a ser constantemente agredido por estes. Obcecado pelo jogo online "Overlord", Ben encontra ali uma espécie de fuga para os seus problemas até que o mundo virtual e o real se confundir na sua mente.

Inspirado numa história real, “Bem X - a fase final” é o filme de estreia do crítico de cinema Nic Balthzar. Escrito pelo próprio Balthazar a partir de seu bem-sucedido livro (e da igualmente bem-sucedida peça inspirada por este), o longa gira em torno de Ben, um jovem que, vítima da síndrome de Asperger, é constantemente brutalizado por seus colegas de colégio e que, como fuga, mergulha no universo criado pelo jogo online “Overlord”, no qual alcança um alto nível que desperta o respeito dos demais jogadores/personagens.

Tornando-se amigo de uma jogadora cujo nick é “Scarlite”, Ben fantasia sobre um possível encontro com a garota – mas logo tem sua atenção desviada pelos ataques cada vez mais cruéis de dois jovens de sua sala. Dirigido com admirável energia, o filme não apenas emprega cenas inteiras criadas por jogadores de “Overlord” na Internet como ainda traz o jogo para o quotidiano de Ben.

Garoto de dois anos tem QI igual ao de Einstein

oscar

Um garoto de dois anos e cinco meses, morador de Reading, a 40km de Londres, obteve em um teste de QI (coeficiente de inteligência) uma pontuação equivalente à dos físicos Albert Einstein e Stephen Hawking.


Os testes de vocabulário e com números comprovaram que Oscar Wrigley faz parte dos 2% da população com QI mais alto.Com isso, Wrigley se tornou o mais jovem garoto a fazer parte da Mensa, a sociedade que reúne pessoas com QI alto.
O membro mais jovem da Mensa é a garota Elise Tan Roberts, de Edmonton, no norte de Londres, aceita no início deste ano à idade de dois anos e quatro meses.


Joe Wrigley, o pai do garoto, disse à BBC que através da Mensa espera poder encontrar outros pais de crianças com QI alto que os "ajudem" com a criação do filho.
Por ora, ele afirmou, o menino – que é muito jovem para frequentar a escola – será educado em casa.


A mãe de Oscar, Hannah, disse que, no início, pensou que seu filho era apenas "uma criança muito inteligente", mas que, aos 18 meses, o garoto já se sobressaía. "Aos 18 meses eles devem conhecer por volta de 20 palavras. Nós começamos a fazer uma lista e paramos no número 600. Eram resmas e resmas de papel", disse.

quinta-feira, outubro 08, 2009

AUTISMO: guia prático

big_guiapgde "AUTISMO: guia prático"clique aqui…

É um documento que  me pareceu interessante e, sobretudo, útil, quer para os educadores, quer para os pais. Apresenta, na parte final, alguns anexos e questões frequentes, que vale a pena consultar.

Na apresentação pode, ler-se:
O autismo é um distúrbio do desenvolvimento humano que vem sendo estudado pela ciência há quase seis décadas, mas sobre o qual ainda permanecem, dentro do próprio âmbito da ciência, divergências e grandes questões por responder.


Há dezoito anos, quando surgiu a primeira associação para o autismo no país, o autismo era conhecido por um grupo muito pequeno de pessoas, entre elas poucos médicos, alguns profissionais da área de saúde e alguns pais que haviam sido surpreendidos com o diagnóstico de autismo para seus filhos.
Atualmente, embora o autismo seja bem mais conhecido, tendo inclusive sido tema de vários filmes de sucesso, ele ainda surpreende pela diversidade de características que pode apresentar e pelo fato de, na maioria das vezes, a criança que tem autismo ter uma aparência totalmente normal.

Ultimamente não só vem aumentando o número de diagnósticos, como também estes vêm sendo concluídos em idades cada vez mais precoces, dando a entender que, por trás da beleza que uma criança com autismo pode ter e do fato de o autismo ser um problema de tantas faces, as suas questões fundamentais vêm sendo cada vez reconhecidas com mais facilidade por um número maior de pessoas. Provavelmente é por isto que o autismo passou mundialmente de um fenômeno aparentemente raro para um muito mais comum do que se pensava.

O autismo intriga e angustia as famílias nas quais se impõe, pois a pessoa portadora de autismo, geralmente, tem uma aparência harmoniosa e ao mesmo tempo um perfil irregular de desenvolvimento, com bom funcionamento em algumas áreas enquanto outras se encontram bastante comprometidas.