segunda-feira, setembro 07, 2009

Ano lectivo/Educação Especial: Nem todos os professores tiveram formação para saber avaliar alunos - Pais

Nem todos os professores tiveram formação necessária para saber classificar os alunos com necessidades especiais de acordo com os novos parâmetros em vigor desde o ano passado, alertou a Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap).
No passado ano lectivo entrou em vigor o decreto-lei que veio definir que os alunos com necessidades educativas especiais passassem a ser sinalizados de acordo com a Classificação Internacional de Funcionalidade (CIF), um sistema de classificação da Organização Mundial de Saúde (OMS) que descreve, avalia e mede a saúde e o nível de incapacidade de uma pessoa.
Na sexta-feira, o Ministério da Educação apresenta a primeira avaliação da aplicação da CIF em Portugal, mas em declarações à Lusa o secretário de estado da Educação Valter Lemos avançou já que a sua aplicação teve resultados positivos.
Para Maria José Salgueiro, da Confap, 'há aspectos positivos e negativos na nova lei e na aplicação da CIF'.
'O aspecto negativo na aplicação da CIF prende-se com o facto de a informação não ter chegado a todos os professores das escolas. Essa foi a grande falha', lamentou a representante das associações de pais.
À Confap chegaram queixas de 'professores que tiveram de pagar do próprio bolso para ter formação e outros que dizem não ter tido qualquer formação'.
A consequência para os alunos é simples: 'Ao não serem bem classificados acabam por não ter os apoios devidos'.
No entanto, garantiu Maria José Salgueiro, 'ninguém se opôs à n
ova lei ou à aplicação da CIF'.
As críticas feitas no passado ano lectivo por professores de que a CIF iria deixar milhares de alunos sem apoio são contestadas pela Confap, que garante que com este modelo 'são dados os apoios devidos às crianças devidas'.
Crianças com dislexia passaram a ficar de fora, 'sendo abrangidos apenas os casos mais graves'. No caso da hiperactividade, também houve mudanças, até porque 'nem todos os casos têm de estar no ensino especial', recorda a representante da Confap.
Maria José Salgueiro lembrou que o novo decreto lei criou ainda as escolas de referência, 'que veio permitir aos pais poder escolher entre uma escola de ensino regular ou ensino com um atendimento mais especializado e centrado'.
No entanto, no caso das crianças surdas e cegas, 'ainda há muito para fazer': 'Há poucas escolas de referência e as crianças têm de se deslocar bastantes quilómetros e muitas acabam por estar longe da família durante todo o dia ou mesmo toda a semana'.
No Norte, por exemplo, existem apenas duas escolas de referência para surdos - no Porto e em Braga. 'As crianças de Ponte de Lima ou de Bragança têm de andar muitos quilómetros e se não optarem por uma escola de referência ficam sem o apoio de língua gestual'.
No caso das crianças com autismo, o grande problema é a 'falta de profissionais especializados e necessários para as acompanhar', mas Maria José Salgueiro considera que 'o ano passado foi de mudança e por isso é normal que ainda não seja tudo perfeito'.

Sem comentários:

Enviar um comentário